Jornal do Voto-E

Recorte da Agência     Congresso Nacional
Brasilia, 04 de Junho de 2000

Atual sistema de votação pode ser fraudado, diz especialista

[Página original]

O engenheiro e especialista em segurança de dados Amílcar Brunazo Filho, um dos técnicos que ajudaram na redação do projeto do senador Roberto Requião (PMDB-PR) modificando o voto eletrônico, afirmou nesta segunda-feira que o atual sistema pode permitir a quebra do sigilo da votação e a ocorrência de fraudes. Segundo ele, além dos problemas técnicos, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não dá aos partidos acesso total aos programas de votação, e a legislação que instituiu o voto virtual é omissa quanto à possibilidade de o pleito ser auditado para recursos, como ocorre nas eleições com cédulas de papel. "A urna eletrônica tem um monte de vantagens eliminou fraudes tradicionais, como troca de votos e apuradores que rabiscavam cédulas , mas é vulnerável a novas burlas, como programas viciados, identificação dos votos e desvios de votação", afirmou Brunazo, que é formado em engenharia mecância pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), com especialização em segurança de dados. Em 2000, a eleição municipal será a primeira da história do Brasil totalmente eletrônica. Serão 107 milhões de eleitores, usando 354 mil urnas para eleger 5.549 prefeitos e 57.316 vereadores. Moderador do Fórum do Voto Eletrônico, Brunazo afirmou que atualmente, nas urnas eletrônicas, os partidos têm acesso apenas ao aplicativo (o programa usado pelos eleitores para votar). O TSE não lhes permite checar nem o software básico (o sistema operacional, sobre o qual 'roda' o outro programa), nem a criptografia (que codifica os dados da votação para impedir fraudes quando forem copiados em disquete). Outra falha, para ele, é a digitação do número do eleitor no mesmo ambiente magnético em que ele vota: em tese, isso poderia ser o fim do voto secreto assegurado na Constituição.

O projeto 194/99 de Requião determina que o eleitor seja identificado à parte, sem envolvimento da urna eletrônica, e exige que os votos também sejam impressos em papel. Após o pleito, os partidos indicariam 3% das urnas, cujas votações eletrônicas e em papel seriam comparadas, para auditagem. As modificações só valeriam a partir das eleições de 2002. "Para cada urna em que fossem encontradas irregularidades, seriam auditadas mais dez", diz Brunazo. Ele ressaltou, porém, não estar afirmando que há fraudes nas urnas eletrônicas. "Nunca tive acesso (profissional) a uma urna", declarou.

TSE - Na última quinta-feira, o ministro do TSE Nelson Jobim contestou, em audiência pública no Senado, críticas à atual votação eletrônica. O tribunal quer evitar a aprovação do projeto de Requião. Os ministros argumentam que o atual sistema é seguro e que a reintrodução das cédulas seriam uma regressão à votação antiga, dando margem à volta das velhas fraudes.


Voltar ao início do texto
Voltar ao Jornal do Voto Eletronico